EU ERREI AO PUBLICAR MEU PRIMEIRO LIVRO IMPRESSO

LeandroVSilva | Autor

Sim, eu errei. Errei ao publicar meu primeiro livro impresso.

Todo mundo começa com a publicação de um livro digital, seja pelo KDP, Wattpad, entre outros, mas isso nunca é o suficiente. Porque sonhamos em ter a versão impressa em mão.

Novato, sem experiência nas malícias, achava que ia mandar bem e logo ia chover propostas, mas não demorou muito e descobri que não era bem assim.

Editoras tradicionais apostam em escritores consagrados, porque eles dão garantia de retorno.

Um iniciante não dá garantia de nada, então você pode ter a melhor das histórias, mas se não mostrar que tem público para consumir, não adianta nada. E isso é o que as editoras querem. Garantia.

E elas não estão erradas. Elas são empresas e dependem do retorno para sobreviver. Por isso é tão difícil conseguir uma publicação tradicional.

Dá até para conseguir, se você contratar um bom agente literário que leve sua obra até elas, mas também não é garantia. Ou por um concurso literário, que também não é garantia que você vai se tornar um best seller.

Ser um best seller é ter público em grande quantidade consumindo suas obras e isso você só consegue com o tempo e esforço. Depois que você consegue isso, chove editoras tradicionais em cima de você.

Mas isso só percebi depois, aí na tentativa de ainda ter minha obra impressa, fui em busca de uma editora prestadora de serviço. Via amigos escritores fazendo o mesmo e segui esse caminho.

A única coisa que tinha em mente era que o contrato tinha que ser híbrido. Direito do digital comigo e só o impresso com a editora. Pesquisei e encontrei uma.

Com muito esforço e ajuda de um amigo, paguei

Fiquei todo bobo. Quem não fica né? Marquei em cima da editora, pois nessa época já estudava sobre os processos editoriais e design e via muitas falhas, que em alguns casos eu meti a mão para corrigir.

Mesmo com os problemas, consegui lançar.

Até teimei e fiz o segundo livro com a mesma editora, porque queria estar na bienal. Fiz mais um esforço em pagar, um valor que é alto e foi. Lancei na bienal é lá que percebi, que não adiantava nada ter impresso, ser publicado por editora, até por editora tradicional, porque na bienal, vi quem era publicado por elas, e flopando em vendas lá no evento. Triste.

Foi daí que decidi meter a mão em tudo e seguir independente.

Ia ter muito mais trabalho, mas teria controle de tudo e o que fosse entrando, reinvestiria, para fazer a carreira seguir de forma mais rápida.

Transformei minha carreira no meu próprio negócio. Hoje não vejo caminho melhor do que o independente.

Já até apareceram editoras tradicionais, querendo me publicar, mas pelo contrato de 10%, não valia a pena, já que como independente, já conseguia caminhar bem.

Já até tenho publicação no exterior, tanto digital como impressa.

Então só fecharia um contrato, se fosse algo muito bom para ambas as partes, já que vou trabalhar em igual, para expandir.

Então, errei em querer achar que só cresceria, se fosse publicado por editora, coisa que vejo hoje em dia, sendo independente, dá para ir muito mais longe do que até sendo publicado por editoras.

Ainda sou novato da publicação, 3 anos de publicados, desde a data desse post e continuo na luta.

Não é fácil, mas sigo em frente.

Não me arrependo do caminho que tracei no início, pois serviu de experiência. Então todo erro que cometemos, serve para nos fazer mais fortes e experientes.

Não desista no primeiro, segundo ou centésimo tombo. Continue em frente, pois se você acredita nos seus sonhos, logo você os alcançará.

Confira o vídeo no meu CANAL onde falo sobre a minha primeira experiência de publicação:

INSCREVA-SE


COMO PUBLICAR NO EXTERIOR SEUS LIVROS SENDO ESCRITOR INDEPENDENTE?

LeandroVSilva | Autor

Há quem diga que escritor independente não conseguirá jamais publicar no exterior suas obras. Que é algo alcançado somente por escritores que já venderam milhões de cópias em território nacional e que agora são merecedores de publicar no exterior suas obras. E que além disso, para ter uma obra exportada você precisa ser publicado por uma grande editora e ter feito muito sucesso primeiramente no Brasil.

Mais uma vez estou aqui para mostrar o contrário.

Você pode publicar no exterior sua obra sendo iniciante. Pode publicar no exterior sua obra junto com o lançamento do seu primeiro livro. Você pode fazer um lançamento mundial tanto do seu livro digital quanto do impresso.

Eu iniciei tarde, mas no meu segundo ano de publicação já estava exportando as minhas obras.

Comecei publicando no exterior a versão impressa dos meus livros em português BR. Hoje já tenho essas obras exportadas em outros idiomas, meio digital e impresso.

publicação independente leandrovsilva

Mas por que publicar no exterior o livro em português BR?

Simplesmente porque tem muitos brasileiros vivendo fora do Brasil e você cria mais uma opção de venda de livros internacionalmente aumentando as chances de ter suas obras vendidas.

E o melhor de tudo é que hoje em dia temos uma das principais plataformas de publicação on-line e que possibilita ter sua obra física publicada fora do Brasil, sem custos.

O KDP

Com o KDP existe a opção de além de publicar o e-Book criar uma versão capa comum do seu livro.

Até hoje (2020) não entendo como tem escritores que evitam fazer o capa comum do seu livro. Muitos ainda acham que não vale a pena, pois por mais que seja gratuita a impressão, a mesma é feita lá fora e o frete não compensa para vender o livro no Brasil

Realmente até a data que eu publiquei esse artigo, o KDP ainda não estava disponibilizando impressão de capa comum no Brasil.

Porém, aqui que vem a sacada de publicar no exterior as suas obras em formato digital e impresso. No digital já é automático quando você publica a sua obra. Ela já fica disponível em todas as lojas on-line da Amazon, então teoricamente, você exportou a versão digital do seu livro. Mas se você fizer a versão capa comum, por mais que seja impresso lá fora, o intuito é vender para quem está lá. Assim, você consegue criar a versão impressa do seu livro se aproveitando da ferramenta à sua disposição. O KDP.

Então faça o capa comum não pensando em trazer o livro de lá e vender aqui. Faça para vender lá fora.

Por mais que não tenha grande público lá para ler em português você pode investir numa tradução publicar no exterior a sua obra em meio impresso para os leitores da língua para qual você traduziu.

Então, concluindo, não é um bicho de sete cabeças publicar no exterior sua obra para o mundo e conquistar o seu público internacionalmente. Se existe essa ferramenta à disposição aproveite o máximo dela. Exporte a versão impressa das suas obras mesmo sendo em português BR e, se possível, faça a tradução das suas obras e venda para o mundo.

Quem é independente sabe a dificuldade que é vender no BrasilPublicando no exterior as suas obras e fazendo marketing localizado, há muito mais chance de se tornar um best seller primeiro lá fora do que aqui. E conquistando esse feito, facilmente você conquistará o público aqui, pois infelizmente o brasileiro ainda dá mais valor às obras internacionais do que as nacionais. Mas acredito que isso mudará um dia.

Explore novas opções, siga outros caminhos, exporte para o mundo.

SERÁ QUE VALE A PENA PUBLICAR UM LIVRO DE FORMA INDEPENDENTE?

LeandroVSilva | Autor

publicação leandrovsilva

Ainda existe uma grande mistificação que a publicação independente é sinônimo de amadorismo e péssima qualidade. Estou aqui para mostrar o contrário. Quem acompanha minha carreira sabe que publico de forma independente e mesmo que tudo seja feito por mim, entrego algo de qualidade, nível editora e em algumas situações até melhor que elas. Já até exportei minhas obras, coisa que com uma editora raramente um autor conseguirá, a não ser que ele pague caro por esse serviço.

publicação independente leandrovsilva

Mas Leandro, a questão é essa: vale a pena publicar de forma independente ou não?

Sim, se o seu objetivo e sonho for viver de livros.

Com a publicação independente você tem todo o controle de suas obras. Sabe exatamente o que vende e quanto de lucro tem. E melhor, o lucro é todo seu. Mas tem um porém. Dá muito mais trabalho do que ser publicado por editora. Muito mesmo.

Com a publicação por editora você paga ou se tiver sorte ou um bom agente literário, você só entrega o seu original e a editora faz tudo.

Uma ótima opção para quem só quer ter suas obras publicadas sem grandes perspectivas.

Você pode até ter um bom resultado, mas o retorno não será eficiente a curto prazo para você viver somente disso.

Raros são os casos de quem conseguiu viver de livros por um tempo sendo publicado por editora. Isso por não produzir mais ou não ter verba para financiar a mesma, ou simplesmente porque parou, pois as vendas e distribuição de royalties não compensava mais.

Sem contar que as editoras não vão gastar dinheiro em campanhas publicitárias para dedicar somente ao seu livro “seu filho”.

Sua obra é só mais uma em um monte de outros livros e a editora por mais que te publique não vai arriscar apostando em marketing dedicado somente à sua.

O marketing é do autor.

E assim o autor se mata de fazer marketing para vender suas obras e no final só leva os famosos 10%.

Haja livro para vender e conseguir viver disso.

Como disse, com a publicação independente o retorno é todo seu e já que o marketing é por conta do autor, que ele faça para gerar lucros somente para ele.

Mas torno a repetir sobre publicar independente.

Dá muito mais trabalho.

Então se vale a pena ou não depende do seu objetivo.

Você quer viver de livros seja independente, pois vai conquistar esse feito de forma mais eficiente e em um prazo bem menor do que sendo publicado por editora.

Tudo que uma editora faz o autor independente pode fazer e em algumas situações até melhor, pois ele se dedicará integralmente à sua obra.

Agora se você não tem esse objetivo e não quer ter muito trabalho, só se preocupando em escrever, publique por editora.

Mas pesquise antes por uma editora que corresponda às suas necessidades.

Quando escolher uma, antes entre em contato com os autores que já foram publicadas por ela e avalie se vale a pena com base na opinião deles.

De qualquer forma publicar livros dá trabalho. O que não pode é desistir na primeira dificuldade que encontrar.

Escreva para você. Coloque toda sua criatividade no papel e divulgue para o mundo. Compartilhe seus universos sem se importar com críticas. Haverá pessoas que não irão gostar do que você escrever e publicar, mas, com certeza, você terá seu público

Enquanto houver um que deseje ler ou apreciar o que sua mente tem para criar, você não pode parar de colocar em palavras ou artes tudo aquilo que está guardado na sua imaginação e no fundo do seu coração.

O limite da sua imaginação é até onde você pode imaginar. Imagine até o infinito.

LeandroVSilva

ESCRITOR PRECISA DE UM SITE?

LeandroVSilva | Autor

leandrovsilva site

Pergunte para si mesmo. Como você  pesquisa por algo hoje em dia? 

Pela internet, seria a resposta da maioria. Hoje quase tudo está na internet e se você é escritor e não tem essa preocupação, então você não quer ser encontrado. Não quer ter seu trabalho visto. Não quer ter seus livros lidos por um grande público.

Mas não é só por esse motivo. O principal objetivo de um site é poder concentrar e apresentar de forma organizada seu trabalho. O site é o seu portfólio.

leandrovsilva enerkry

Mas as redes sociais não podem ser meu portfólio?

Sim e não.

As redes sociais o próprio nome já diz “social”. São plataformas de interações sociais e para quem tem um negócio, no nosso caso a escrita é o nosso negócio, as redes sociais cumprem mais o objetivo de interação com o leitor.

Você leva para a plataforma conteúdos variados com objetivo de não só apresentar o seu trabalho, mas também interagir com o seu público. E para a interação ser mais dinâmica o conteúdo tem que ser aleatório e introvertido.Usuário da rede social está na plataforma para consumir e distribuir conteúdo de sua familiaridade e vai ignorar conteúdo repetitivo. No nosso caso, quando ele vir a mesma capa do livro ou assunto sobre, ele irá ignorar.

Com isso, na tentativa de ser aleatório e dinâmico, o conteúdo acaba ficando desorganizado e quem tem interesse nas suas obras fica perdido.

Geralmente, os usuários das redes sociais quando passam a seguir alguém dificilmente eles vão rolar por todo o feed da pessoa para saber o que ela já publicou.

Eles querem consumir novos conteúdos a partir do momento que passou a seguir.

Por isso a importância de ter um site. Nele você apresenta o seu conteúdo de forma organizada para o seu público.

site enerkry
site enerkry

Tendo um site bem organizado e estruturado  o seu público facilmente encontrará suas obras que foram lançadas há tempos assim como os seus lançamentos.

noticias leandrovsilva

Mas não é só isso.

Com seu site, quanto mais conteúdo você gera nele, mais informação sobre você e suas obras aparecem nas pesquisas dos buscadores.

pesquisa leandrovsilva

Quanto mais conteúdo relacionado à sua pessoa e suas obras tiveram na internet, mais fácil será ser encontrado.

Contudo não é só jogar na internet e pronto. Se seu nome for nome comum ou o título de suas obras for parecido com outros, provavelmente o resultado da pesquisa te levará para um dos últimos lugares, pois o ranqueamento de palavras do Google leva em consideração a maior quantidade de postagens, há quanto tempo as postagens já estão na internet, ou quem paga o Google ADS.

Mas o que é o Google ADS ?

É uma plataforma onde você cria anúncios baseado em pesquisa. É uma plataforma do Google.

Para aprender mais sobre isso INSCREVA-SE no meu canal:

INSCREVA-SE


Existe também o SEO. Ele é o responsável por deixar o seu conteúdo mais encontrável e organizado nas pesquisas. No mesmo curso de Google ADS você encontra mais informações sobre o SEO.

Concluindo: Quer ser encontrado e ter suas obras expostas em uma vitrine virtual? Tenha um site.

Hoje em dia o investimento é bem reduzido e existem muitas alternativas, até gratuitas, para criar o seu site, contudo com uma ferramenta paga, você terá um site bem mais completo.

Se não quer perder tempo e quer ter o seu site configurado de forma correta, INSCREVA-SE no meu canal que por lá ensino tudo.

SERÁ QUE DÁ PARA VIVER DE LIVROS?

LeandroVSilva | Autor

Para ser objetivo já lhe respondo que SIM, mas vai depender de alguns fatores.

Contudo, se você, antes mesmo de ler este post, já tem introduzido no obscuro da sua mente que é algo impossível, não sou eu que vou te convencer, então pare de ler por aqui e se conforme com a derrota. Caso você acredita no seu potencial, mas acha muito difícil alcançar esse objetivo ou não sabe por onde começar, continue lendo que vou te mostrar o que venho aplicando à minha carreira.

Voltando ao fatores:

1 – Você tem que definir se quer levar a escrita como profissão. Se for só um hobby dificilmente você conseguirá viver somente da escrita. Se está disposto a lançar livros por toda sua vida e levar isso profissionalmente, você precisa se profissionalizar e principalmente empreender

Não que escrever livros como um hobby dê pouco retorno. Há quem consiga fazer da escrita um hobby sem compromisso e ter um retorno, mas dificilmente, como já disse, viverá somente disto. Ainda mais se tratando de ser escritor no Brasil.

2 – Tendo suas metas definidas e intenções de livros para publicar, agora você precisa definir como quer publicar. Se almeja publicar por editora você pode conseguir o seu tão sonhado objetivo de se tornar um best-seller e viver somente de livros, mas tem um grande porém: 

Sendo publicado por editora você pode levar a vida toda para conseguir o seu objetivo ou na pior das hipóteses, nem conseguir. Sendo publicado por editora você tem a vantagem de não ter muito trabalho. O maior trabalho que terá será no marketing. 

Geralmente os royalties pagos das vendas dos livros para quem é publicado em editora é muito baixo, então, haja livro para vender e assim ter um retorno considerável que te faça viver somente de livros.

Agora, se publicar como independente você terá todo o retorno, mas fique sabendo que terá muito mais trabalho. Com publicação independente você se torna sua própria editora e poderá acelerar muito os processos, como por exemplo, exportar suas obras para o mundo, coisa que utilizando uma editora raramente conseguirá, a não ser que tenha um contrato híbrido e que você mesmo o faça, ou pague absurdos para a editora fazer.

Mas aqui fica a seu critério.

Se publicar por editora, seja por uma publicação tradicional ou pagando por uma publicação lembre-se que terá o trabalho de marketing e o processo para se tornar um best-seller pode ser demorado e com você bancando esse custo.

Mas isso não é uma regra absoluta. Se você tiver muito dinheiro e fizer uma mega campanha de marketing com certeza terá um retorno considerável, mas infelizmente essa não é a realidade de muitos, ter dinheiro suficiente para bancar a carreira e ter um retorno esperado.

A realidade de muitos é a mesma da minha. Mas eu escolhi ser independente apesar de já ter começado com a editora. Tive muito trabalho e ainda continuo tendo, mas estou obtendo retorno muito satisfatório e eu não largo mais a publicação independente.

Minha carreira se tornou o meu negócio. E eu sou o CEO.

Aí voltamos a pergunta: dá para viver de livros?

Como já respondi no início: SIM. Mas vai depender de como você vai conduzir a sua carreira. Sendo publicado por editora ou sendo independente você terá trabalho em ambos, e não desistindo, você terá sucesso. Mas sendo publicado de forma independente esse sucesso pode ser mais rápido, isso se você adquirir conhecimento suficiente para conduzir a sua carreira de forma mais eficiente.

Uso minha carreira como exemplo. Investi em conhecimento e hoje faço tudo o que uma editora faz e até muito mais. Tenho meus livros publicados nacionalmente internacionalmente em vários formatos e o melhor de tudo, o lucro é todo meu e consequentemente isso me gera um retorno mais rápido, o qual posso reinvestir e acelerar o crescimento da minha carreira.

Eu tive muitos erros e acertos e em certas situações até parecia que estava perdendo tempo, mas não desisti e continuei em busca dos meus objetivos e ainda continuo atrás de outros. Se você quer ser eficiente na sua carreira e não perder tempo, adquira todo conhecimento para fazer da sua carreira literária o seu negócio. 

Hoje eu ofereço o que não tive no início da minha carreira. Conhecimento a quem busca seguir o mesmo caminho que o meu para dominar os processos editoriais e ser certeiro no que realmente funciona para fazer da carreira literária o seu negócio.

E sabe o melhor? Todo esse conhecimento disponibilizo de graça no meu canal.

COMO TUDO COMEÇOU | A CARREIRA DO ESCRITOR LeandroVSilva

LeandroVSilva | Autor

leandrovsilva

Para quem ainda não começou a carreira literária, talvez o início da minha trajetória sirva de pontapé para você iniciar a sua e para quem já está nessa caminhada, talvez tenha começado de um jeito curioso, assim como eu.

Quando eu tinha 5 anos, iniciei meu interesse em desenhar e quando eu estava com 7 anos já desenhava relativamente bem para a minha idade. Copiava praticamente qualquer outro desenho de revistas ou até mesmo da televisão só de olhar. Como eu vim de uma família muito humilde, para meus pais, o talento em desenhar era inútil, pois eles não tinham a visão que a arte, para quem era pobre, pudesse ser monetizada ou até mesmo muito lucrativa.

Com isso, o desenho para mim era só um hobby. Dos meus 7 a 14 anos eu desenhava e criava pequenas histórias com esses desenhos. O engraçado dessa época era que eu pegava esses desenhos e recortava em retângulos e fazia de álbum de figurinhas. Eu ia colando esses recortes em outras folhas, simulando o álbum que meus pais nunca puderam comprar para mim.

desenhos leandrovsilva

A vida difícil e cobranças dos meus pais, me fizeram deixar os desenhos de lado e me dedicar aos estudos, pois era a única forma de mudar de vida, no pensamento deles.

O tempo foi passando e depois de muito sacrifício, me formei no ensino médio com dois cursos técnicos: eletrônica e mecânica. Trabalhei por quase 3 anos na área de mecânica em uma empresa privada até passar em um concurso público na área militar.

MUITAS DAS VEZES DESISTIMOS DOS NOSSOS SONHOS PARA SEGUIRMOS CARREIRAS QUE APARENTEMENTE REMUNERAM MAIS, QUE SEJAM ESTABILIZADAS OU SIMPLESMENTE POR ACHAR QUE NÃO EXISTEM ALTERNATIVAS.

A vida seguiu, casei, tive dois filhos e na época que estava fazendo Faculdade de Física na UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), no término do quarto período, encontrei alguns dos meus desenhos, aqueles que fiz quando tinha entre 9 e 14 anos.

As lembranças me despertaram um sentimento que até hoje não deixo morrer. O sentimento de que o que eu fazia me deixava muito feliz. Apesar de ter tido uma infância difícil eu era muito feliz quando estava desenhando e criando minhas pequenas histórias.

Aqueles desenhos, que me despertaram esse sentimento, foram ativando minha criatividade e com isso novas ideias de histórias foram surgindo freneticamente. Desse dia em diante, passei a anotar todas as ideias para histórias que tinha. Muitas delas eram interessantes, mas eram perdidas e não formavam histórias completas. Mesmo assim estava sempre anotando tudo.

Um dia, enquanto estava na faculdade, aguardando a próxima aula, me veio um dos maiores brainstorm que já tive até hoje. A tempestade de ideias que hoje está se materializando na série Enerkry. Essas ideias ajudaram muitas das ideias perdidas a encontrarem seu caminho, assim formando o complexo universo de Enerkry, que estou desenvolvendo em parceria com um amigo até hoje.

Foi a partir disso que decidi que ia seguir a carreira de escritor e publicar minhas histórias. Abandonei a faculdade e comecei a investir o meu tempo no desenvolvimento da história de Enerkry e de muitas outras.

ENTENDI QUE É MELHOR VIVER FAZENDO O QUE AMA , MESMO GANHANDO POUCO, DO QUE GANHAR MUITO E SE SENTIR UM PRISIONEIRO DOS SEUS SONHOS NÃO REALIZADOS

Fiz um curso de Design Gráfico e fui me dedicando em aprender nas áreas de atuação e ferramentas que poderiam ser necessárias para a minha carreira literária.

Depois de um bom tempo de desenvolvimento, finalmente terminei o meu primeiro livro, Os Irmãos do Gelo e não demorou muito, ele já estava à venda na plataforma mais popular de publicação de livros digitais, o KDP. Kindle Direct Publishing, da Amazon.

Se gostou e queira conhecer um pouco mais da minha trajetória no mercado editorial conheça meu livro sobre publicação independente:

Para outros produtos acesse: